Sobre mim

A minha foto
Linda-a-Velha, Lisboa, Portugal
Comecei a imaginar e criar a decoração dos meus bolos depois de algumas desilusões com bolos comprados em pastelarias. Nunca me achei uma pessoa especialmente criativa, mas com o incentivo e carinho das pessoas que me rodeiam, essa realidade mudou. Gosto de cozinhar tudo, embora as sobremesas sejam o que me dá mais prazer e gosto de um resultado final impecável A arte de satisfazer o estômago alheio ainda não é uma actividade a tempo inteiro, mas um dia, certamente, será!

terça-feira, 6 de maio de 2008

Desafio

Este desafio foi-me proposto em Setembro, acho eu :s
Nessa altura não tinha a internet a funcionar e depois esqueci-me.
O desafio consiste no seguinte:

1º - Pegar no primeiro livro que estiver por perto
2º - Abrir na página 161
3º - Procurar a 5ª frase completa
4º - Transcreve-la para o blog
5º - Não se pode escolher o livro. Tem de ser mesmo do que estiver mais perto
6º - Passar o desafio a 3 pessoas

Ora a página 161 do livro que estou a ler (pela enésima vez) só tem diálogo e francamente não é dos mais interessantes, por isso escolhi 2 passagens, a primeira é uma descrição de uma paisagem e a outra... bom, a outra pode parecer lamechas e pirosa nos dias de hoje, mas enquadrada na época em que foi escrita (1800 e qualquer coisa), é bastante ousada.

"O dia fora convidava, adorável, de um azul suave, muito puro e muito alto, sem uma nuvem. Defronte do terraço os gerânios vermelhos estavam já abertos; as verduras dos arbustos, muito tenras ainda, de uma delicadeza de renda, pareciam tremer ao menor sopro; vinha por vezes um vago cheiro de violetas, misturado ao perfume adocicado das flores do campo; o alto repuxo cantava; e nas ruas do jardim, bordadas de buxos baixos, a areia fina faiscava de leve àquele Sol tímido de Primavera tardia, que ao longe envolvia os verdes da quinta, adormecida a essa hora de sesta numa luz fresca e loura."

"Fora, para os lados do mar, um trovão rolou lento e surdo. Mas Maria já o não ouviu, caída nos braços de Carlos. Nunca o desejara, nunca o adorara tanto! Os seus beijos ansiosos pareciam tender mais longe que a carne, trespassa-lo, querer sorver-lhe a vontade e a alma: - e toda a noite, entre esses brocados radiantes, com os cabelos soltos, divina na sua nudez, ela lhe apareceu realmente como a Deusa que ele sempre imaginara, que o arrebatava enfim, apertado ao seu seio imortal, e com ele pairava numa celebração de amor, muito alto, sobre nuvens de ouro..."

O livro chama-se Os Maias e o seu autor Eça de Queirós.

Agora não sei é a quem hei-de passar o desafio!!
Nem sequer sei se ainda tenho clientes habituais aqui no estaminé...

Por isso, quem quiser fazer que o faça :)
Saida airosa, não?

1 comentário:

GM disse...

Claro que tens "clientes habituais"
ao teu blog... :)
mesmo que n~seo seja só posts sobre os teus desafios culinários, acho que deves sempre escrever o que te vai na alma, ou que o que faz parte da tua vida... neste caso este trecho iterário, muito bom... tens de fazer um post sobre as Farpas...